Que dúvida cruel! Com tantas possibilidades diferentes no mercado, queremos clarear as suas ideias trazendo algumas dicas e experiências de profissionais com quem atuamos.

Se você é empreendedor e começou a buscar alternativas para enfrentar a crise perante o momento atual, com certeza viu na internet uma grande oportunidade. Mas com tantas possibilidades no mundo digital, por onde começar?  Vale a pena fazer uma loja virtual? É possível vender mesmo tendo poucos seguidores? Lista de transmissão funciona? Afinal, é melhor apostar em um e-commerce ou nas redes sociais?

De acordo a publicitária Camila Fiamoncini, da Sirena Marketing para Negócios, “A escolha depende do objetivo e dos recursos disponíveis para esta empreitada.” E então, quais os critérios para escolher a plataforma que mais se encaixa com o momento do seu negócio?  “O e-commerce ganha na praticidade e na oferta de métodos de pagamento, mas as redes sociais são o canal ideal para quem tem pressa de começar e aposta na interação como diferencial na venda” complementa.

Desenvolver uma plataforma digital de e-commerce exige um investimento maior e depende de um minucioso trabalho de cadastramento de informações que será decisivo para o sucesso da ferramenta. Seja contratando uma empresa especializada no desenvolvimento de e-commerce ou escolhendo uma plataforma de loja virtual na internet, uma das grandes vantagens é a automatização. O cliente pode acessar e comprar a qualquer momento, sem um acompanhamento direto por parte da empresa. A segurança na transação também é fator determinante para aumentar a credibilidade com a marca e, justamente por isto, esta opção é ideal para empresas que têm seu nome consolidado no mercado.

Já nas redes sociais, o investimento inicial é mais baixo pois as plataformas são bem intuitivas e permitem que você faça tudo sozinho. Porém, o resultado depende de conteúdos interessantes e impulsionamentos pagos para atingir mais gente e, consequentemente, o consumidor certo.

Muitas redes sociais já vêm ampliando as possibilidades para quem quer vender através de seus canais. O Facebook e o Whatsapp já permitem que você possa cadastrar produtos em um catálogo on-line e o Instagram permite linkar produtos direcionando o fechamento da compra para uma loja virtual.

“O primeiro passo é partir do perfil pessoal para um profissional”, alerta Camila. “Quem reluta em migrar para as opções corporativas por medo de ter poucos seguidores deixa de ter acesso a muitos recursos úteis disponíveis nas ferramentas próprias para negócios. A possibilidade de aumentar a entrega da mensagem ou ter dados sobre quem acessa a informação é um exemplo. O conteúdo das publicações também é fator decisivo na hora de atrair o cliente. “Precisa ser bonito e interessante. Não adianta apenas postar produtos e esperar que isso se reverta em vendas. A dica é ir além da oferta: aposte em temas relacionados ao seu negócio, dê sugestões, curiosidades e chame para a conversa”, complementa.

Ainda está com dúvidas sobre qual caminho é o ideal para a sua marca?

Confira uma planilha simples, que vai te ajudar nesta escolha.

Para conhecer mais do trabalho da Camila, na Sirena visite o seu Instagram, clicando aqui.

Esperamos ter ajudado. Se você quer saber mais sobre este tema, deixe seu comentário para prepararmos mais conteúdos como este!