Se preferir, você pode ouvir a matéria através do link abaixo. É só dar o Play!

Em agosto de 2020, está prevista a implementação da Lei Geral de Proteção de Dados, conhecida como LGPD. Ao entrar em vigor, instituições públicas e privadas serão obrigadas a ter um especialista em segurança da informação em seus quadros de funcionários. “Estamos falando do bem mais precioso de uma empresa, o Brasil é o terceiro país que mais sofre com ataques cibernéticos”, revela Odilon Pscheidt, gerente comercial de data center. “Falta a cultura de segurança da informação”, complementa.

“Dados são o bem mais precioso de uma empresa. Perdê-los acarreta em altos custos para a organização. Estamos falando de recuperação de dados, multas e penalidades, custo da imagem da instituição, perda de clientes. Em resumo, dependendo do tamanho dos danos, pode levar à falência”, explica Pscheidt.

Mas você não precisa esperar a LGPD para começar a cuidar dos seus dados. Confira dicas simples que já podem fazer a diferença:

Armazenamento em Data Center

Data Center é um ambiente projetado seguindo boas práticas internacionais, onde os dados estarão em um ambiente protegido e seguro.

Data Center é um ambiente projetado seguindo boas práticas internacionais, onde os dados estarão em um ambiente protegido e seguro. O Data Center oferece serviços adequados às suas necessidades, proporcionando, assim, um ambiente seguro, eliminando e/ou diminuindo a quase zero o risco de paradas inesperadas. Além disso, o acesso ao DC é restrito e monitorado, sendo um lugar fisicamente seguro. Outra vantagem é que não é necessário que cada empresa tenha uma estrutura como essa, já que existe a possibilidade de contratar um Data Center as a Service (DCaaS). “Você deixaria seu dinheiro em casa ou no banco? O mesmo vale para os seu dados. Se estamos falando de um bem valioso, por que não guardar em um lugar especializado em segurança?”, compara Odilon. Leia mais sobre o data center.

Faça backups com frequência

Algo muito comum dos últimos tempos é o sequestro de dados. Esse crime cibernético, também chamado de ransomware, é feito por hackers, que bloqueiam um dispositivo e cobram o resgate para devolver o acesso. Há casos de solicitação de pagamentos de U$50 mil (algo em torno de R$210 mil). Importante ressaltar que, além do alto valor, não há garantia alguma de devolução. A realização de backups pode não impedir esse ataque, porém é útil para recuperar os dados roubados, sem a necessidade de pagar para tê-los de volta.

Atualize os equipamentos e softwares

Se você ignorou o famoso aviso de que “as definições de vírus foram atualizadas”, é melhor prestar atenção e correr atrás da atualização dos softwares de segurança, como firewalls, antivírus, sistemas operacionais, aplicativos e drivers. Essas ferramentas precisam reconhecer as novas ameaças para poderem proteger sua rede e informações. Além do reconhecimento, a atualização faz com que a eliminação dos malwares seja mais rápida e eficaz.

A Unifique investe em treinamentos e certificações para suas equipes internas, garantindo que as falhas em processos sejam minimizadas.

Treinamento de pessoal

Antes mesmo de um profissional especializado contratado, é necessário ensinar os funcionários já existentes a reconhecer as armadilhas e evitar os ataques. A falha humana é um dos principais fatores para a vulnerabilidade na segurança de rede. Ações simples e rotineiras podem fazer a diferença, como: não mandar fotos da estação de trabalho por chat, pois podem revelar pontos de monitoramento (câmeras de segurança); ter senhas seguras e atualizadas a cada três meses; não clicar em links suspeitos ou abrir arquivos em anexo de desconhecidos; sempre verificar dispositivos móveis, como pen drives. Treinamentos minimizam a abertura de brechas.

Invista em Fibra Óptica

Em uma conexão coaxial (usada em redes híbridas) ou por fios de cobre, na qual o cabeamento é elétrico, a intercepção de dados é muito fácil e barata. Já com a fibra óptica, que transmite sinais de luz em formato de fótons num filamento cilíndrico extremamente fino, feito de vidro de sílica, a técnica e o custo para acessar os dados transmitidos são maiores, dificultando qualquer invasão.